Os portfólios on-line estão, cada vez mais, estabelecendo-se como meios de popularização para profissões criativas, como a arquitetura e o design. Dessa maneira, publicar boas fotografias é a melhor forma de divulgar projetos e de o profissional mostrar como desenvolve seu trabalho, aproximando-o de possíveis clientes.

É muito comum surgirem dúvidas e até certa insegurança sobre como fazer fotografias de qualidade das obras concluídas. Apesar de soar como uma tarefa complicada, focar em algumas dicas e em praticar com frequência, aos poucos, traz confiança e transforma a fotografia em um hobby.

Quer começar já a fazer fotos incríveis dos seus projetos? Acompanhe nossas 6 dicas e inspire-se!

1. Fique atento ao ângulo

O modo de observar o ambiente pode mudar tudo! O ideal é dar preferência para fotografias na altura de um observador comum, uma vez que essa perspectiva favorece visão e compreensão mais amplas do espaço fotografado.

No entanto, para mostrar outros detalhes, leves variações dos pontos de observação são bem-vindas. Outras características, como o próprio foco, por exemplo, funcionam para destacar objetos e texturas. As brincadeiras com a perspectiva, muitas vezes, têm resultados surpreendentes. Portanto, não tenha medo de ousar!

Outro ponto importante é que as fotografias de arquitetura devem buscar as linhas que valorizam a impressão que se deseja transmitir, seja de proximidade, seja de grandiosidade, perante o observador. Mesmo assim, é essencial que a imagem não sofra graves distorções, uma vez que erros de enquadramento como esse são altamente prejudiciais para a compreensão no momento de divulgar projetos.

2. Observe a iluminação

A iluminação é fundamental tanto na elaboração do projeto, como no momento de utilizar os ambientes, quanto em sua compreensão por meio de fotografias. As condições ideais de luz são as que valorizam determinada atmosfera, alguma característica estrutural ou formas que se deseje destacar.

Dessa maneira, não existe um ou dois horários específicos ou posicionamentos quanto à luz natural para fazer as fotografias. Na verdade, registrar os edifícios e espaços internos em diferentes horários e condições ajuda o público a ter uma compreensão mais completa do comportamento da arquitetura.

Quanto à iluminação artificial, o mais importante é buscar o equilíbrio entre luzes, sombras e aparência de cor exibida pelas lâmpadas. As câmeras profissionais e de smartphones contam com vários dispositivos de compensação de luz em vários níveis de complexidade, que funcionam muito bem para ajustar o visual da imagem capturada.

3. Cuide bem da composição

Observar as várias regras de composição é um bom começo para treinar o olhar sobre a arquitetura, pois garante fotografias harmônicas e bonitas. No entanto, leves modificações de posicionamento, como alguns passos para frente ou para o lado, podem mudar completamente o olhar sobre o ambiente — e surpreender!

Apenas uma regra deve ser prioridade acima de todas: as linhas verticais e horizontais devem ser preservadas na fotografia de arquitetura. Afinal, linhas tortas provocam desconforto visual e prejudicam muito a qualidade dos registros.

Além disso, as melhores fotografias exigem um bom estudo visual do espaço, para avaliar de quais aspectos é possível tirar partido para compor uma cena. Desse modo, a organização do cenário — quando se tem controle sobre sua aparência — é um dos aspectos mais importantes da composição fotográfica. Afinal, o ambiente deve transmitir personalidade e a presença das pessoas, mas sem parecer caótico.

4. Use o celular ou a câmera profissional

As câmeras compactas ou de smartphones, hoje em dia, são capazes de produzir imagens excelentes. Nesse começo, treinar o olhar e as percepções é muito mais importante do que fazer fotos incríveis nas primeiras tentativas. Especializar-se primeiro em fotografar apenas com o celular, até encontrar uma identidade única para transmitir ideias e olhares, é uma estratégia muito inteligente.

No entanto, à medida que se evolui no ramo da fotografia, a iniciativa natural é investir em uma câmera profissional, já que proporciona ainda maior qualidade e variedade de composições. Além da lente de foco normal que acompanha o kit, o ideal é escolher mais um modelo, grande angular, que é o mais indicado para produzir imagens amplas, tanto de interiores como de paisagens.

Dispositivos auxiliares, como tripés e filtros polarizados, também podem fazer parte do equipamento, pois facilitam em questões de estabilidade para registros com pouca luminosidade e até na adição de efeitos.

Mas não se esqueça: o equipamento faz apenas 20% do trabalho! O profissional precisa, antes de tudo, saber o que quer mostrar e como pretende fazer isso. Portanto, estude o ambiente ou a edificação e tenha paciência para elaborar as fotografias.

5. Aposte nas ferramentas de pós-produção

Melhorar as imagens com o auxílio de programas de computador ou aplicativos, já há alguns anos, tornou-se parte essencial do processo, permitindo que as nuances de cores e iluminação, principalmente, sejam alteradas de modo a alcançar objetivos e causar sensações específicas.

Dos complicados até os mais acessíveis, os programas de computador e aplicativos de edição para smartphones oferecem uma ampla gama de comandos manuais que devem ser privilegiados em detrimento dos filtros padrão, que empobrecem a foto devido ao seu tratamento genérico. Dessa maneira, o mais interessante é experimentar a edição ao máximo, antes de escolher qual será a sua assinatura fotográfica.

O Lightroom e o Photoshop são os softwares mais utilizados para fotografias feitas com câmeras profissionais, enquanto que as de celulares têm como ótimas opções o VSCO, o Snapseed, o Photoshop Express e os ajustes possibilitados pelos próprios aplicativos de redes sociais.

6. Explore as redes sociais

Arquitetura e design são atividades de grande apelo visual. Portanto, divulgar projetos com publicações em redes sociais é o portfólio mais acessível e chamativo dos dias atuais, especialmente em aplicativos que têm como função primordial compartilhar imagens e interação direta — tais como Instagram e Pinterest, que são as preferidas de pessoas que buscam por referências de arquitetura e decoração.

Além disso, no Brasil, as redes sociais são uma constante entre pessoas das mais diferentes idades, o que as torna um campo de extrema fertilidade para captação de novos clientes. Outro cuidado importante é o de fotografar e tratar imagens nos formatos mais adequados a cada meio, seja o celular, seja o computador: dessa forma, você mantém o padrão e a linguagem que mais atraem cada público.

Por isso, é preciso unir as fotografias a postagens com informações úteis e de qualidade: caso contrário, aparentarão superficialidade e se tornarão desinteressantes para os seguidores. Analisar as preferências da audiência por certos tipos de conteúdo é outra forma de usar as redes sociais a favor do arquiteto e do designer, firmar-se como autoridade no assunto e redirecionar o interesse do público para o nicho de projeto que for mais conveniente.

Gostou das nossas dicas sobre como divulgar projetos com fotografias incríveis? Para receber mais conteúdos como este e ficar por dentro das maiores tendências de arquitetura e design de interiores, acesse nossa página e assine nossa newsletter!